Atletas da Engenharia na 30ª Copa Unisinos

Como de costume a Engenharia UFRJ se fez presente em mais uma  Copa Unisinos. O tradicional campeonato universitário teve sua 30º edição realizada nos dias 19 a 22 de Outubro na UNISINOS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos) Campus São Leopoldo (Porto Alegre – RS) e contou com a presença de fortes equipes do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e do Uruguai. O evento é reconhecido como a maior competição esportiva universitária do Mercosul e tem como objetivo promover e incentivar o esporte universitário, estimulando a organização esportiva nas Instituições de Ensino Superior.

Representando a melhor universidade do Brasil a Engenharia UFRJ participou desse tradicional evento esportivo com  três atletas jogando nos times gerais da UFRJ em duas modalidades. Do time de Futebol de Campo Masculino tivemos a presença de Rafael Rocha e João Pedro Marques, já o Handebol Masculino foi representado pelo meia da Engenharia Marcos Arantes.

Futebol de Campo Masculino

Na Fase de grupos os resultados não foram os melhores. No primeiro jogo, contra ULBRA (Universidade Luterana do Brasil) o time da UFRJ começou perdendo de 1×0, revidou com um empate, mas, devido a certa apatia do time, que chegou a levar 3 gols em 5 minutos de jogo, sendo derrotado por 4×1.  Já contra UnB (Universidade de Brasília) empatamos em 1×1 jogando bem melhor. No terceiro e último jogo contra a anfitriã Unisinos fomos derrotados por 2×1. Com essa campanha, o time infelizmente acabou não se classificando para a fase de quartas de final. Entretanto os dois estudantes de Engenharia Naval avaliam a experiência como válida, motivadora e de cheia de bons aprendizados.

Segundo Rafael Rocha, estreante no campeonato, a estrutura das outras equipes foi o que mais impressionou, pois algumas faculdades contavam até mesmo com equipes multidisciplinares com fisioterapeutas logo após as partidas. Realidade um tanto quanto distante para um time com pouco incentivo da própria faculdade e condições insatisfatórias para os treinamentos.  Apesar de encontrarem dificuldades no que diz respeito ao nível técnico, força de vontade e união não faltaram. A equipe jogou bravamente os três jogos e trouxe pro Rio uma bagagem de ensinamentos.

Para o lateral João Pedro Marques a oportunidade foi um privilégio: “É  uma experiência que se leva pra vida. Ver atletas de outras delegações olharem com respeito para a camisa da UFRJ é uma sensação inexplicável!”. Assim como seu companheiro de time, relembra as dificuldades impostas desde a preparação até o andamento da competição. Além da falta de preparo físico devido a quantidade e nível das partidas, há ainda a barreira financeira. Isso porque os custos da viagem são bancados pelos próprios atletas, o que inclui passagem, estadia, alimentação e translado. Devido à falta de apoio da Universidade para com o esporte universitário é notável diferença de preparo e organização em comparação às outras faculdades, que contam Centro de Treinamento, bolsas para atletas e auxílio financeiro para passagens e estadia em alguns casos. Em compensação, a força de vontade e união superou qualquer desvantagem e fortaleceu bastante o time, fazendo com que fosse respeitado e tido como favorito na competição.

João, que carrega 3 campeonatos Cariocas, 1 Brasileiro e 2 Copas Unisinos no currículo, afirma ainda que leva consigo uma experiência gigante de companheirismo, amizade de superação. O atleta convida os alunos: “Sou muito grato por ter tido essa oportunidade. Digo a todos os alunos que se interessem por esporte a procurar saber mais sobre as equipes representativas para participar.”

Equipe Representativa de Futebol de Campo Masculino da UFRJ

 

Handebol Masculino

No handebol masculino a Engenharia UFRJ estava muito bem representada pelo nosso experiente meia Marcos Arantes e o ponta direita Leonardo Schunck. A chave da fase de grupos era composta por fortíssimos adversários: Makenzie – SP, Universidade de São Paulo – SP e FEEVALE – RS, o que tornou a competição bastante árdua e desafiadora para a UFRJ. O estudante de Engenharia Naval Marcos, que participa pela segunda vez, elogia a competição: “A copa Unisinos é sempre muito agradável de jogar. É uma competição com o nível fortíssimo, com um clima de integração e amizade entre os atletas ao fim dos jogos, a comunicação com a arquibancada durante a partida e ainda tem os uruguaios, que estão sempre muito animados pelos corredores da universidade. Sem contar a estrutura da universidade em si, que é um espetáculo de organização.”

O primeiro jogo, contra USP, o time da UFRJ começou bem, mantendo-se sempre à frente no placar até que uma mudança na defesa do time adversário permitiu uma virada ao final do primeiro tempo. No início do segundo tempo o time não encaixou e, numa sequência de 5 ataques errados nossos e 4 certos do adversário, a vantagem aumentou para 6 gols. Com isso o time da USP soube administrar bem o ritmo de jogo e o relógio, ficando bem difícil para correr atrás.

A partida contra Makenzie foi dolorosa. O time era visivelmente o melhor do campeonato (não à toa que sagraram-se campeões do Handebol Masculino e Feminino). Dentre os atletas, 6 atuam em clubes profissionais do handebol brasileiro. O placar foi reflexo da disparidade técnica: foram 7 gols de diferença.

O terceiro e último jogo contra Feevale foi um pouco desequilibrado no início. Marcos atribui o fato à tabela, que foi montada de maneira a beneficiar o descanso do adversário. Isso porque já era o terceiro jogo da UFRJ, segundo no mesmo dia, e a equipe da Feevale fazia seu primeiro jogo do campeonato. “Eles destruíram a gente no início. Abriram com 5×1 então mudamos nossa forma de jogar, controlando mais a posse ofensiva e tirando a vantagem ao longo da partida. Foi um jogo muito pegado fisicamente também”. Marcos chegou a ir para a enfermaria conter um sangramento nasal devido a um violento lance durante a partida, entretanto voltou a tempo de ajudar a reduzir a diferença para 1 gol com 40 segundos para o final do jogo. O time da UFRJ ainda conseguiu recuperar a bola na defesa e ter a posse de bola que permitiria o empate no último ataque, porém restavam apenas 15 segundos e não foram felizes na finalização terminando 17 X 16 o jogo contra o time que viria a ser o vice campeão.

 

Equipe Representativa de Handebol Masculino da UFRJ

 

“Acredito que se não fosse a sequência desastrosa contra USP somada ao início ruim no jogo contra Feevale sairíamos com um resultado bem melhor. Quem sabe até mesmo um 2º lugar, visto que os times da outra chave não eram tão estruturados.”, aponta o meia Marcos Arantes.

 

 

 

 

 

Apesar do time não ter passado de fase, Marcos avalia que o objetivo secundário da viagem da competição foi atingido: obter rodagem e bagagem cultural do esporte como um todo. Os jogos foram contra diferentes escolas diferentes do handebol nacional e com uma arbitragem diferente, que deixava o jogo correr com muito contato. Uma frase comum entre os atletas era “na UNISINOS vale dar 5 passos”, pois a arbitragem permitia que o jogador continuasse a progressão sempre que o atleta sofria algum tipo de contato, então todos os jogos foram muito intensos fisicamente. O que, de certa forma, prejudicava nosso time que não era tão forte fisicamente quanto os demais. “Felizmente o esporte é assim, fica o grande aprendizado, amizades com atletas do Brasil inteiro e um gostinho de quero mais pro próximo ano. 1, 2, 3, FEDERAL RIO!”


 

A AAAEP parabeniza todos os alunos e alunas que representaram bravamente a UFRJ, em especial aos atletas da Engenharia: Rafael Rocha, João Pedro Marques, Marcos Arantes e Leonardo Schunck.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *