Histórico

A Associação Atlética Acadêmica da Escola Nacional de Engenharia (AAAENE), e posteriormente denominada Associação Atlética Acadêmica Escola Politécnica (AAAEP) foi fundada em 16 de outubro de 1941, através do Decreto-Lei n o 3.617, de 15 de setembro de 1941 com o objetivo de promover a prática do desporto universitário e a realização de competições esportivas.

Embora não haja um acervo com registros detalhados da participação de atletas da atual AAAEP, algumas notícias encontradas em jornais da época dizem muito acerca da importância que os alunos de Engenharia UFRJ tiveram no cenário do desporto universitário.

Em 1937, provas como a “clássica travessia” dão início a temporada esportiva da então Escola Polytechnica, com saídas da rampa da Rua Tucumã e chegada à rampa do Clube de Regatas do Flamengo, com a presença de esportistas de nível sul-americanos, prestigiados e anunciados no jornal O Globo.

Escola Nacional de Engenharia
Escola Nacional de Engenharia (Campus São Francisco de Paula)

Em 1940 é realizada a primeira competição entre calouros contra o Petropolitano Football Club e no mesmo ano, a Escola Nacional de Engenharia sagra-se campeã da então “Taça Juventude Brasileira” ao derrotar sua valorosa rival, a Escola Nacional de Belas Artes.

Em 1956, as principais competições esportivas ocorriam entre o corpo discente da Escola Nacional de Engenharia e a Faculdade Nacional de Medicina (sendo esta competição denominada ENG–MED). O meio de comunicação “Manchete Esportiva” possui registros de jogos realizados num dos maiores palcos do futebol brasileiro e mundial, o Estádio Jornalista Mário Filho (popularmente conhecido como Maracanã). Com a sua supremacia, os “Theodoliteanos” (apelido dado na época aos estudantes de Engenharia) conseguiram sagrar-se pentadeca campeões nos Jogos Universitários de 1959. Houve uma menção honrosa aos jogadores de basquete, que entraram em quadra, após serem desclassificados de um torneio da FAE (Fundação de Amparo ao Esporte), despretensiosos e considerados como medíocres pela crítica, fazendo uma incrível virada e brilhante recuperação digna de aplausos e notícias nos jornais, chegando ao fim da competição em segundo lugar no quadro geral de “bola ao cesto”, mostrando assim a força do engenheiro para o esporte.

Outra menção honrosa foi para a natação com a equipe composta majoritariamente por calouros, sobrepujando os adversários e conquistando o mais brilhante campeonato de 1959. As colocações da competição foram:

Futebol de Campo 1º lugar
Natação 1º lugar
Tênis 1º lugar
Tênis de Mesa 1º lugar
Tiro ao Alvo 1º lugar
Xadrez 1º lugar
Basquete 2º lugar
Esgrima 2º lugar
Futsal 3º lugar
Halterofilismo 3º lugar
Remo 2º lugar
Saltos Ornamentais 2º lugar

Dos anos 60 para cá, com poucos registros, podemos ressaltar atividades como: promoção de torneios e jogos esportivos, melhorias para o espaço físico da Associação Atlética Acadêmica, novas formações das equipes da Escola de Engenharia, realizações de campeonatos internos de futebol, campeonatos de xadrez, um torneio esportivo estudantil da engenharia Rio–São Paulo (23 a 25 de outubro de 1992) com a presença de 150 atletas e apoio ao campeonato de tênis de mesa.

Acredita-se que importantes registros de atividades esportivas ligadas aos alunos de Engenharia da UFRJ tenham se perdido ao longo do tempo, principalmente devido à migração da Escola Nacional de Engenharia do Campus Largo de São Francisco de Paula para a Cidade Universitária na década de 60. Entretanto, destaca-se a relevância do esporte universitário como peça fundamental na construção estudantil dos alunos de Engenharia na UFRJ bem como na história da atual Escola Politécnica.